Fechar ×
Fechar ×
Fechar ×

Textos De Jorge Amado

"A negra sorriu: - Tá vendo? - Tou. A gente liberta o negro. A negra ia apanhando o tabuleiro. Henrique ajudou-a a botar as latas vazias em cima. Ela perguntou: - Você sabe qual é a coisa mais melhor do mundo? - Qual é, minha tia? - Adivinhe. - Mulher... - Não. - Cachaça... - Não. - Feijoada... - Não sabe o que é? É cavalo. Se não fosse cavalo, branco montava em negro..."

Jorge Amado

? Por que pregar susto na gente, Berrito desgraçado? Tu bem sabe que tenho o coração fraco, o médico recomendou que eu não me aborrecesse. Cada idéia tu tem, como posso viver sem tu, homem com parte com o tinhoso? Tou acostumada com tu, com as coisas malucas que tu diz, tua velhice sabida, teu jeito tão sem jeito, teu gosto de bondade. Por que tu me fez isso hoje? ? e tomava da cabeça ferida na peleja, beijava-lhe os olhos de malícia.

Jorge Amado

A solução dos problemas humanos terá que contar com a literatura, a musica, a pintura, enfim com as artes. O homem necessita de beleza como necessita de pão e de liberdade. As artes existirão enquanto o homem existir sobre a face da terra. A literatura sera sempre uma arma do homem em sua caminhada pela terra, em sua busca de felicidade.

Jorge Amado

Durante anos e anos haviam-se encontrado todos os dias, haviam estado juntos todas as noites, com ou sem dinheiro, fartos de bem comer ou morrendo de fome, dividindo a bebida, juntos na alegria e na tristeza. Curió somente agora percebia como eram ligados entre si, a morte de Quincas parecia-lhe uma amputação, como se lhe houvessem roubado um braço, uma perna, como se lhe tivessem arrancado um olho.

Jorge Amado

Logo que um novato entrava para os Capitães da Areia formava logo uma idéia ruim de Sem-Pernas. Porque ele logo botava um apelido, ria de um gesto, de uma frase do novato.Ridicularizava tudo era dos que mais brigavam.Tinha mesmo uma fama de malvado.Muitos do grupo não gostavam dele, mas aqueles que passavam por cima de tudo e se faziam seus amigos diziam que ele era um "sujeito bom". No mais fundo de seu coração ele tinha pena da desgraça de todos. E rindo, e ridicularizando, era que fugia da sua desgraça. Era como um remédio. No rosto do que rezava ia uma exaltação, qualquer coisa que ao primeiro momento o Sem-Pernas pensou que fosse alegria ou felicidade. Mas fitou o rosto do outro e achou que era uma expressão que não sabia definir. E pensou, contraindo seu rosto pequeno, que talvez por isso ele nunca tenha pensado em rezar, em se voltar para o céu.O que ele queria era fugir da sua angústia, que estrangulava. Mas o Sem-Pernas não compreendia que aquilo pudesse bastar. Ele queria uma coisa imediata, uma coisa que pusesse seu rosto sorridente e alegre, que o livrasse da necessidade de rir de todos e rir de tudo. Que o livrasse também daquela angústia, daquela vontade de chorar que o tomava nas noites de inverno. No bando,não tardou a se destacar porque sabia como ninguém como afetar a dor."

Jorge Amado Capitães da Areia

Mulheres de Jorge Jorge Amado, foi quem desenhou nossas mulheres brasileiras: Gabriela, Teresa, Tieta e Dona Flor. Todas elas, posso dizer, são mulheres de coragem, com histórias dígnas de se conhecer. D'entre as nossas mulheres, Gabriela foi aquela quem Jorge primeiro pois-se a escrever. Gabriela é inocente? É, é diferente. Gabriela tem a aparência que os rapazes anseiam por conhecer e essa mesma aparência, nas bocas das mulheres vira motivo para maldizer. Gabriela é tão bela! Tem o corpo da mulher brasileira e também é conhecida por não cortar a cabeleira. Gabriela além de um pensamento além do seu tempo, tem o perfume do cravo e a pele cor de canela. Essa é Gabriela. Já n'outro tempo nosso Jorge criou mais um de seus livros, esse entitulado "Dona Flor e seus dois maridos" com casos benditos que falam da nossa nação sem pudores, mostrando misticismo e um defunto peladão que volta do além, movido por uma paixão. Essa paixão é Florípedes, a bela Dona Flor, que carrega consigo um coração cheio de amor. Outra mulher batalhadora quem Jorge bem retratou é Teresa Batista, que muito lutou. Teresa por muito tempo sofreu e chorou na fazenda aonde criança comeu o pão que diabo amassou. A morena também se apaixonou e para poder o seu primeiro amor viver, o homem a quem foi vendida precisou as asas bater. Tieta é cedo expulsa de casa pelo seu pai que a rejeita por ter sido pega com um rapaz enamorada. Mas tempos depois retorna a pequena cidade d'onde foi embora, ainda com pouca idade. Agora a bela mulher, que volta elegante, independente e rica é por Sant Ana do Agreste muito bem recebida. "Amado, Jorge" hoje se lê nos livros e a esse nome associa-se um homem, da literatura, grande amigo. Por ter ousado em uma nova roupagem para os seus textos escrever, recheando-os de verdades para o povo brasileiro, poder o nosso próprio país conhecer.

Sarah Magalhães